segunda-feira, 30 de maio de 2016

Violência contra as mulheres até quando?














A violência contra mulheres e meninas é uma grave violação dos direitos humanos. 
Seu impacto varia entre consequências físicas, sexuais e mentais para mulheres e meninas, incluindo a morte. Ela afeta negativamente o bem-estar geral das mulheres e as impede de participar plenamente na sociedade. A violência não tem consequências negativas só para as mulheres, mas também para suas famílias, para a comunidade e para o país em geral. A violência tem ainda enormes custos, desde gastos com saúde e despesas legais a perdas de produtividade, impactando os orçamentos nacionais e o desenvolvimento global.

Um número sem precedentes de países têm leis contra a violência doméstica, agressão sexual e outras formas de violência. No entanto, os desafios persistem na implementação dessas leis, limitando o acesso de mulheres e meninas à segurança e justiça. Em geral, não há iniciativas eficazes de prevenção da violência contra a mulher e, quando esta ocorre, muitas vezes os culpados permanecem impunes ou são condenados a penas brandas.

Enquanto escrevo sobre este assunto estatisticamente 13 mulheres serão estupradas hoje no Brasil, eu você e outras tantas brasileiras poderemos ser as futuras vítimas, não cruze os braços para este crime, defenda-se você não é culpada é vitima!


Para quem ainda não entendeu vou explicar
Nada justifica um estupro, absolutamente nada!

Algumas MULHERES E MUITOS HOMENS ERRONEAMENTE AINDA JUSTIFICAM O ESTUPRO PELO USO DE ROUPAS CONSIDERADAS PROVOCANTES, PELO COMPORTAMENTO SOCIAL, GOSTOS MUSICAIS ENTRE OUTROS.


Pois saiba:

Que estupro é uma relação sexual não consentida, não importa se você  seja casada, virgem, prostituta, se você não consentir em ter uma relação sexual e o cara forçou, isto é estupro entendeu? Defenda seus direitos... mulher estuprada não é culpada,  é vitima.


Professora Jackie

O que você precisa saber sobre impeachment?

Impeachment da presidenta Dilma Rousseff no dia 13 de maio, Uma Mentira Cívica?


Veículos internacionais de grande circulação descrevem “situações bizarras” que aconteceram na Câmara dos Deputados e que culminaram no encaminhamento favorável ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O entendimento é unânime. Trata-se de um duro golpe à democracia brasileira.


As reportagens destacam o fato de Dilma ser uma das poucas figuras não acusadas de corrupção, lavagem de dinheiro ou enriquecimento ilícito, diferentemente de muitos deputados. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o vice-presidente Michel Temer foram citados nas reportagens, respectivamente, pela condição de réu no Supremo Tribunal Federal pelos 40 milhões de dólares na Suíça e pelas diversas citações de envolvimento em esquemas de corrupção.


Entenda os  passos do impeachment contra Dilma Rousseff

Sessão na Câmara de domingo 17, quando deputados votaram pela abertura do processo de impeachment
A votação do processo na Câmara, no domingo (17 de Abril), foi motivo de espanto. Contestam o “clima de jogo de futebol”, as “agressões”, o “desrespeito ao estado laico e às minorias”, e, claro, todos os “motivos estapafúrdios” que estariam justificando o voto dos deputados pelo impeachment, sem tocar realmente no cerne da questão.
O relatório da comissão foi favorável ao impedimento da presidente Dilma: 38 deputados aprovaram o relatório e 27 se manifestaram contrários.



Em 17 de abril, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o relatório com 367 votos favoráveis e 137 contrários.


O parecer da Câmara foi imediatamente enviado ao Senado, que também formou a sua comissão especial de admissibilidade, cujo relatório foi aprovado por 15 votos favoráveis e 5 contrários.[13]


Em 12 de maio o Senado aprovou, por 55 votos a 22, a abertura do processo, afastando Dilma da presidência até que o processo seja concluído.




O que acontece nesses 180 dias nos quais Dilma fica afastada?


É nesse período que começa a verdadeira coleta de provas e depoimentos para o processo de impeachment. O processo é conduzido pelo Senado, sem um prazo definido para a conclusão dos trabalhos.



Qual o próximo passo?


Depois desse período de 180 dias, a comissão entrega um parecer no qual decide se a presidenta deve ou não continuar no cargo. Dilma, então, se torna ré na chamada produção do juízo de pronúncia, que é votado pela comissão e depois em plenário.
A sessão final do processo acontece no plenário do Senado, sob a direção do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. Para condenar a presidenta e destitui-la definitivamente do cargo, são necessários dois terços dos votos do Senado (54 de um total de 81). Caso contrário, ela reassume imediatamente suas funções. 

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Geografando com a 2ª série da E.M.E.I.E.F Dionisio Milioli

Quando pensei que já havia tido todas experiências como profissional da Educação, tive o imenso prazer de ser convidada para dar uma aula na 2ª série do Ensino Fundamental
Uma sala cheinha de crianças sorridentes cheia de expectativa para com a professora que chegava

Primeiro, escreva com caixa alta professora, não sabemos ler e escrever sua letra, kkkkkk

Vamos falar da terra? Vcs sabiam que ela esta no espaço? E que estamos em cima dela? rsrsrsrs

Ah a vontade de fazer bonito, de ganhar estrelas de falar o que sabem...



E lá estava eu cercada de vida, de ânsia de saber, e de pouco silêncio rsrsrsr

Obrigada queridos, geografei com muita alegria, pois ensinar sempre será um ato de aprender, Obrigada Diretora Marlene!

25 anos do maior acidente nuclear da história

Chernobyl, na Ucrânia, ainda guarda as marcas da explosão do reator 4, que espalhou radiação pelo país e pelos territórios vizinhos em 26 de abril de 1986.


 Na época, a usina era responsável pela produção de cerca de 10% da energia utilizada na Ucrânia. Com quatro reatores e mais dois em construção, Chernobyl era um símbolo do avanço da União Soviética.


As causas da tragédia nuclear ainda são motivo de discussão, alguns especialistas apontam erros humanos, enquanto outros avaliam erros no projeto, a razão mais aceita é a união das duas falhas.
Resultado da verdadeira ganância




No dia da explosão estava agendado um procedimento de rotina no reator 4, ele seria desligado e os responsáveis aproveitaram para fazer um teste, um problema de resfriamento fez com que o teste terminasse de forma trágica.




O acidente lançou 70 toneladas de urânio e 900 de grafite na atmosfera. Após a explosão, milhares de trabalhadores foram enviados ao local para combater as chamas e garantir a resfriação do reator. Conhecidos como “liquidadores”, esses homens perderam a vida no combate ao incêndio. Na segunda etapa, para conter a radiação, trabalhadores sem equipamento adequado passaram seis meses construindo uma estrutura de isolamento, o “sarcófago”.


O alto nível de radiação afetou as regiões no entorno da usina, chegando a uma área de 100 mil km2 . A cidade que abrigava os trabalhadores de Chernobyl era Prypiat, construída para essa função em 1970. A orientação para deixar as casas só veio 30 horas depois do acidente, os habitantes tiveram 40 minutos para pegar os itens de maior necessidade e sair da cidade. Eles foram avisados que poderiam voltar em três dias. A área, porém, passou a fazer parte da zona de exclusão estabelecida no entorno da usina e Prypiat virou uma cidade fantasma.

A cidade Fantasma
Os soviéticos tentaram esconder o acidente, mas os níveis de radiação foram detectados em outros países. A primeira notícia sobre a explosão saiu no dia 29, na Alemanha, três dias depois do ocorrido. A usina chegou a continuar em funcionamento, com turnos menores, e passou por dois princípios de incêndio, em 1991 e 1996.
O governo soviético admitiu 15 mil mortes, enquanto organizações não governamentais calculam 80 mil. Segundo números oficiais, 2,4 milhões de ucranianos sofrem de problemas de saúde relacionados ao acidente. Ainda hoje, 27 anos depois, 6% do PIB ucraniano é destinado aos efeitos da tragédia, como pagamento de indenização às vítimas. Um museu foi construído na capital Kiev para lembrar Chernobyl e as pessoas afetadas pela radiação.


Saiba mais: http://educacao.globo.com/artigo/chernobyl-maior-acidente-nuclear-da-historia.html

Atenção fascistas eu sei o que vcs fizeram no verão passado!






Não aguento mais pessoas insanas, medíocres, intolerantes, xenófobos arrogantes e prepotentes. Sujeitos ressentidos que apoiados em deus sabe o quê julgam e condenam todos que são contrários as suas idéias retrógradas e pouco conhecedora da história do nosso país.

 Quem são eles? Não são os ricos não!!!!

 É essa raivosa classe média - aquela que detesta pobre e tem inveja do rico - que fomenta esse ódio. Que trouxe do quinto dos infernos o Sul é meu país, que promove a uma constante campanha contra as mulheres que eles consideram fora dos seus padrões machistas. Os mesmos que há 13 anos atrás estavam no limbo financeiro e hj apurados apoiam o que tem de pior nesse país. A Dilma pode cair mas vcs cairão ainda mais!

E acreditem eu estarei aqui de olho em vcs. E tem mais, espero sinceramente que vcs não ousem comemorar o fim da corrupção, com o Temer e o Cunha no poder! Pq será um absurdo!


Queridos amigos, alunos e leitores...Estou de volta!

                               

Por motivo de falecimento do meu amado marido em Novembro de 2015

me afastei de algumas atividades para refazer meu cansaço e minha dor!


"O tempo passa
inexorável
marca, amassa
avança implacável





                                      Mas agora estou de volta, cheia de saudade e novidades

                                                                       Prof. Jackie



Euzinha com minha aluna Beatriz!





sexta-feira, 11 de setembro de 2015

OPINIÃO: Ditadura Militar de volta? Você tem fome do quê?



" :p ...  A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte..."


       Nossa! Às vezes a gente pensa "não pode a pessoa REALMENTE pensar assim", mas né... Vai entender. Eu ainda não era nascida pra sofrer qualquer consequência direta da época, mas o que leva alguém a comparar a aceitação de um governo ditatorial com fotos mostrando o "Sete de Setembro" na ditadura - povão(?), diversão (?), só uhuuuuus (???) - com o de hoje/ontem?
       Cara, uma ditadura CONTA com o nacionalismo inflamado! Ela depende da ideia de união do povo, da nação, de ideais. Direita, esquerda, religiosa, militar, tanto faz. E mais, a ditadura CONTA TANTO com a união que, quem não tá feliz, ou se cala ou é calado à força. Pega fotinhos do governo do Hitler, do Stalin, do Mussolini. Vê se não estão lá milhões apoiando, urrando. Vê, agora, a contagem de corpos, de mortos que eles deixaram de rastro. 
      O teu compartilhamento que sugere que "no regime militar era melhor" é uma total falta de respeito à democracia, total falta de respeito aos que passarm pelo período sofrendo frequentes intervenções e revistas aleatórias (como esses tempos meu próprio pai disse que fora por diversas vezes revistado), total falta de respeito aos familiares e à memória dos que não tiveram a sorte de poder contestar o que estavam vivendo e continuarem vivos. 
     O teu compartilhamento dizendo "naquela época se dava atenção às necessidades do povo, não tinha corrupção, não tinha roubalheira, não tinha caos instaurado" é porque tu é muito egoísta a ponto de justificar um governo autoritário e assassino, sem se preocupar com a dor dos que perderam os seus devido a ele! E não foi APENAS por omissão, não foi APENAS por desvio de dinheiro ou APENAS por falta de investimento em educação/reformatórios que as pessoas foram brutalmente mortas e torturadas! 
    Foi pelas próprias mãos do governo que não aceitava um "ai" contrário. Quer compartilhar, saudar o militarismo e a ditatura por ele estabelecida aqui? Tranquilo. Agora tu pode contestar o que te desagrada sem ser morto e torturado pelas armas do próprio Estado. Quer acreditar que não tinha corrupção, desvio de dinheiro, péssimo gerenciamento? Beleza, acredita que o dinheiro só sumiu depois que o PT "tomou" o poder. Quer desrespeitar a memória de mortos e vivos vítimas daquele nacionalismo doente e falso que tu tanto preza? Vai lá! E torce pra que, se a ditadura que tu tanto admira um dia voltar, tu seja um dos queridinhos dela. Ou já sabe, né? 


Lara Muri - Porto Alegre/RS
Emoticon wink

terça-feira, 26 de maio de 2015

Sejamos generosos em acolher novos imigrantes



Não esqueçam sulistas: Somos filhos, netos e bisnetos de imigrantes que chegaram ao Brasil fugindo da pobreza, guerras, falta de terras, cheios de sonhos! Sejamos generosos em acolher outros imigrantes que hoje precisam de nós!

                                                                  Professora Jackie

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Imigrantes haitianos e africanos são explorados no Brasil




O Haitiano Ivon Belisarie na carvoaria: trabalho degradante e quilos a menos - Fernando Donasci / O Globo

CASCAVEL e MARINGÁ (PR) - O suor que escorre pelo rosto se junta à poeira negra do carvão e tinge a face e os braços de Ivon Belisarie. A fuligem avermelha seus olhos. Desde que chegou ao Brasil, há dois anos e meio, de segunda a sábado, das 8h às 17h, o imigrante haitiano corta madeira, abastece fornos que produzem carvão vegetal e ensaca o produto que será enviado a centros urbanos do país, numa carvoaria em Maringá (PR). Ele não se senta um minuto. Emagreceu tanto que está abaixo do peso.

No terremoto de 2010, além de nove parentes, Ivon perdeu o patrão, um empresário haitiano do ramo de arroz para quem trabalhava como motorista havia 15 anos. Percebeu então que a permanência no Haiti ficara inviável. Trocou o conforto do ar-condicionado de veículos esportivos pelo calor, a poeira negra e a insalubridade da carvoaria. E a companhia ruidosa dos filhos pela solidão de sequer ter dinheiro para telefonar para casa.


Dos dez haitianos que vieram com Ivon de Manaus para o Paraná, atraídos pela possibilidade de reconstruir a vida, ele é o único que continua na carvoaria. Em troca, recebe cerca de R$ 950.

VEJA TAMBÉM
Em São Paulo, imigrantes têm ofertas de emprego, mas seleção lembra mercado de escravos
No Paraná, com música e culinária haitianas, imigrantes lembram-se de casa
VÍDEO Vídeo mostra rotina de imigrantes no país

— Deixei a mulher chorando, com um bebê no colo e mais duas crianças pelas mãos, e vim buscar dinheiro no Brasil. Tenho responsabilidade com a minha família, não podia ficar sem trabalho — conta o haitiano, que chegou a racionar comida para enviar cerca de US$ 300 aos parentes no Haiti.

Desrespeito a normas do trabalho

A 230 quilômetros da carvoaria, num frigorífico em Cascavel (PR), 380 migrantes haitianos fazem, cada um, cerca de 90 movimentos por minuto para desossar frangos e pendurar galinhas. Por um salário mensal de cerca de R$ 1 mil, suportam a rotina de oito horas e 48 minutos diários sob um frio de nove graus, temperatura abaixo do limite de 12 graus estabelecido pelo Ministério do Trabalho.

Trabalho degradante, insalubre e de baixa remuneração em empresas de setores que, frenquentemente, figuram na lista suja do trabalho escravo têm sido o destino final de haitianos e africanos que enfrentam uma travessia dispendiosa e arriscada, muitas vezes patrocinadas por coiotes, para chegar ao Brasil. E não são poucos. Um estudo recém-divulgado pelo demógrafo Duval Fernandes, da PUC-MG, estima que, até o fim deste ano, haverá cerca de 50 mil haitianos no país. Junto a senegaleses, nigerianos e bengaleses, eles têm se engajado em funções que não requerem qualquer nível educacional, e recusadas por brasileiros.

— O trabalho em frigorífico é extremamente penoso. Em três meses, o trabalhador já começa a adoecer porque não há ser humano que suporte tanto movimento repetitivo em temperatura tão baixa. Esse trabalho não interessa mais aos brasileiros. Há uma analogia entre a situação desses migrantes aqui e a dos hispânicos que lotam frigoríficos nos Estados Unidos. Só que aqui a exploração é maior — afirma o procurador do trabalho Heiler Natali, responsável pela vistoria dos frigoríficos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/imigrantes-haitianos-africanos-sao-explorados-em-carvoarias-frigorificos-13633084#ixzz3bApjurAg
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Atenção Galera - ENEM 2015


Inscrições do Enem 2015 começam em 25/05



Inscrições Enem 2015: Começam no dia 25/05 (segunda-feira) as inscrições para o maior teste de conhecimentos escolares do Brasil, o Enem 2015. Muito aguardado, o Exame é hoje a principal forma de ingresso no ensino superior, seja em instituições públicas ou privadas de ensino.


Para realizar a inscrição no Enem 2015 o candidato deve acessar o endereço eletrônico disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC), o http://enem.inep.gov.br/. É necessário que no momento da inscrição o candidato informe os números de documentos pessoais como CPF e IDENTIDADE, além de realizar o cadastro de uma senha que futuramente será solicitada para consulta do resultado e cadastro em Programas do MEC como ProUni e Fies.


Quem se inscrever para o Enem 2015 e realizar as provas que devem acontecer em outubro, estará apto a concorrer bolsas de estudos oferecidas pelo Programa Universidade para Todos – ProUni, vagas em instituições públicas de ensino superior através do Sistema de Seleção Unificada – SiSu ou solicitar um financiamento estudantil junto ao Fundo de Financiamento Estudantil – Fies.
Quem pode se inscrever no Enem 2015






Podem realizar a inscrição no Enem 2015 todos os alunos da rede pública ou privada que já concluíram ou estão para concluir o ensino médio. Porém que tiver mais de 18 anos e que ainda não tenha concluído o diploma de conclusão do ensino médio, pode participar do Enem 2015 para obter o certificado de conclusão do curso.


Todos que se inscreverem no Enem 2015 devem realizar o pagamento de um valor referente a taxa de inscrição, exceto aqueles que se enquadrarem na lei que regulamenta a isenção de pagamento de taxa de inscrição em concursos públicos, como os alunos que em 2015 estiverem no último ano do ensino médio ou pessoas que declararem carência socioeconômica.


Segundo o Edital publicado no portal eletrônico do MEC, as provas do Enem 2015 vão ser aplicadas no mês de Outubro. Os locais de aplicação das provas serão divulgados no Cartão de Confirmação de Inscrição, que vai ser entregue no endereço fornecido pelo candidato ou acessado no mesmo site onde foi realizada a inscrição para o Enem 2015.


O Enem está diretamente ligado aos programas do MEC voltados para o ingresso no ensino superior, pois em todos eles é requisito obrigatório que o candidato tenha participado do Exame. E também, o critério utilizado como forma de seleção destas inciativas é a nota que o candidato obteve nas provas do Exame.


Não perca esta grande oportunidade, inscreva-se no maior teste de conhecimentos do país e continue a visitar o nosso site que é o mais gabaritado em notícias e informações sobre o Enem 2015.


Uma boa nota nas provas exige preparação e foco. Conheça a Apostila Digital do Enem 2015 e saia na frente rumo à aprovação.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

SE AS ABELHAS DESAPARECEREM DA FACE DA TERRA?


Se as abelhas desaparecerem da face da terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais não haverá raça humana. (frase atribuída a Albert Einstein)
                                           SOS abelhas            

A frase acima mostra como as abelhas são indispensáveis à humanidade. Desde os tempos mais primórdios, o homem tratou de usar seu mel para alimentar-se. Mas há alguns anos, os produtos derivados da apicultura encontram-se cada vez mais caros, dado o misterioso desaparecimento de abelhas que ocorre no mundo. (Globo Rural)

Nos Estados Unidos, segunda potência mundial da apicultura, mais de 60 por cento das populações de abelhas desapareceram em 24 estados. Nos países europeus, os números não são mais animadores. Este fenómeno, chamado “Síndrome do Colapso das Colónias”, tem várias consequências no equilíbrio natural, uma vez que as abelhas são dos insectos mais ativos na polinização das plantas.

Para estudar o problema, existe, um projeto de investigação da União Europeia chamado BEE DOC. Em conjunto, 11 universidades de 9 países estão a trabalhar, sob a coordenação do professor Robin Moritz, um dos maiores especialistas na matéria.

“A ideia por trás do BEE DOC é pesquisar três diferentes pilares de investigação. Um tem por objetivo os diagnósticos das doenças, desenvolvendo novas ferramentas fáceis para o diagnóstico das doenças das abelhas. Outro pretende desenvolver estratégias de prevenção de doenças e o terceiro está a tentar desenvolver novos tratamentos que dependam menos da terapia química que temos hoje”, explica Moritz.

Motivos do desaparecimento das abelhas


A Euronews publicou que a redução da biodiversidade, o uso excessivo de pesticidas e a poluição estão entre as causas prováveis do Síndrome do Colapso das Colónias. Os investigadores acreditam que uma sinergia entre vários fatores está na origem de uma doença ambiental que explica o fenómeno.

Porém até agora, não há consenso entre os cientistas sobre o motivo que teria ocasionado a desaparição das abelhas. Alguns creditam a razão ao:

Cultivo de monoculturas e a intensificação do uso de agrotóxicos e as queimadas.

Outros pensam que a domesticação desses insetos para a produção de mel fez com que não conseguissem mais sobreviver na natureza.

Um grupo de cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido afirma que a diversidade das abelhas selvagens naquele país diminuiu 80%, por conta de um vírus não identicado. No Iraque, a Guerra do Golfo causou efeitos tóxicos que destruíram 90% das colônias apícolas do país.

                                   E no Brasil?

                             autor: Marco Aurélio Weisheimer – Agência Carta Maior

O fenômeno pode causar graves desequilíbrios ambientais, uma vez que as abelhas são responsáveis por mais de 90% da polinização e, de forma direta ou indireta, por 65% dos alimentos consumidos pelos seres humanos. 

Apicultores gaúchos e catarinenses relatam desaparecimento de abelhas em níveis inéditos. Alguns produtores registram perdas de 25% na produção de mel. Pesquisador diz que uma das causas do fenômeno pode ser a influência de lavouras transgênicas.

No Brasil, lembrou Barbosa, não há estudos aprofundados sobre o impacto dos transgênicos no ecossistema. Outra possível causa apontada pelo pesquisador é o aquecimento global. O sistema de orientação das abelhas funciona por meio dos olhos. As abelhas dependem da luz solar para encontrar o caminho de volta para as colmeias. O aumento da incidência de raios ultravioletas poderia, assim, ser uma das causas do fenômeno.

fonte: http://www.dialogosdosul.org.br/a-teoria-do-desaparecimento-das-abelhas-sinais-evidentes/18072014/

                  Esta postagem foi a pedido de Cristina leitora deste Blog:



Que tal postar aqui sobre uma coisa de muita importancia da qual nossa fauna e flora dependem? As abelhas nativas sem ferrão brasileiras e as exóticas(àpis/com ferrão/exóticas/híbridas)? Precisamos mostrar esse mundo excepcional aos jovens para PRESERVAÇÃO pois fazem de 75 a 90% de polinização de nossa flora! Existem vários grupos que podem lhe auxiliar nesta pesquisa e desafiar os jovens a buscar mais! Tente:

 www.sosresgatedeabelhassemferrão, 

melipofoco.blogspot.com.br, beeornotbee; 

semabelhassemalimentos,meliponariosenna.com.br* (este de amigo querido de Pernambuco/agente do MMA, e sempre auxiliando em conhecimentos quem o procura) pois com a SDS(Sindrome do Desaparecimento Súbito das abelhas nós meliponicultores(criadores de Abelhas Sem Ferrão) estamos desesperados buscando auxilio para esclarecer a população! 

Fica a dica para os interessados


               Será que Albert Einstein tinha razão?